Pesquisas podem alterar programa eleitoral

Eis que a briga por votos entre os presidenciáveis e dos candidatos aos governos dos Estados brasileiros chegam aos últimos dias. No dia 05 de outubro, é hora de escolher, nas urnas, o representante de nosso país e Estados, além de deputados e senadores.
Pelas pesquisas, temos alguns candidatos despontando, outros que começaram na frente, caindo, enfim.
Agora é a hora também de ficarmos antenados nas propostas, pois as pesquisas vão direcionar muitos a falar mal dos outros candidatos ou publicar histórias com fatos fictícios justamente com o âmbito de ludibriar a todos. Cuidado!
É hora de separar o “joio do trigo”, analisar bem e não se sentir comprado com um simples aperto de mão e beijo no rosto, novamente, cuidado!
Que possamos ser leais com a nossa vontade e só escolher os representantes que realmente fizeram ou que temos a certeza de que farão algo de bom para os nossos Estados e País.

O fim precoce de uma caminhada

Amigos leitores, esse blog, desde que foi criado, não tomou partido por nenhum Partido político, não apoiou candidato algum nem tem a pretensão de fazê-lo. Porém, hoje vivemos algo que nos deixou consternados. O candidato do PSB – Partido Socialista Brasileiro à Presidência da República, Eduardo Campos, morreu vítima de um acidente aéreo.
Aos 49 anos, o ex-Governador de Pernambuco, vai deixar, sobretudo para os pernambucanos, muita saudade.
Falo isso, pois, além de ter sido Chefe de Gabinete, Deputado Estadual, Deputado Federal, Ministro da Ciência e Tecnologia, Governador de Pernambuco e agora, tentava a vaga de Presidente da República, teve, em seu último cargo, um nível de popularidade muito alto.
A população local, em sua maioria, exaltava Eduardo, o apoiando nessa nova investida.
Queria Deus que a sua caminhada fosse interrompida.
Queria Deus que um jato particular, perdesse a altitude e caísse em Santos, numa região com casas. Os 7 passageiros que estavam a bordo morreram na hora, entre eles, estava Eduardo Campos.
Para muitos estudiosos da Política, o candidato estava entre os políticos da nova geração que conseguiram demonstrar uma liderança nata, tendo seus objetivos claros e com muita inteligência para realizá-los.
Vida que segue e que a vida política de Eduardo Campos, segundo o povo pernambucano, sirva de exemplo para muitos políticos por aí.

É a hora deles, ou será a nossa?

“Brasileiros e Brasileiras, boa noite!”
Há muito tempo atrás ouvíamos um certo Presidente da República dizer essa frase com a autoridade de quem fazia tudo pelo povo. E esse político veio governar o nosso país depois de um movimento que foi realizado para termos o direito a participar de eleições diretas para eleger nosso governante. Tivemos, além do direito do voto, a gradativa queda o fim da censura, entre outras coisas.
Aliás ele só veio governar depois que o Presidente eleito morreu devido a uma diverticulite. Caso esse até hoje discutido.
Depois disso nos restou a inflação, planos econômicos, descobertas de riquezas, privatizações e novos Presidentes: Fernando Collor de Mello, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e, desde 2010, Dilma Rousseff.
Como sabem, depois de toda essa história, que começou lá atrás, com o movimento de Diretas Já, votamos, votamos e vemos sempre as mesmas figuras serem eleitas e fazerem o que querem com o nosso dinheiro.
As nossas riquezas não são bem aplicadas, não são utilizadas como deveriam e, ao seu bel prazer, esses mesmos políticos que tanto lutamos para que estivessem cuidando do nosso país, são os mesmos que participam de atos corruptos e sem escrúpulos.
Hoje voltam as ruas, pegam crianças no colo, enganam com mais algumas meia dúzia de promessas e nós…
E nós???
Será que novamente é a hora deles chegarem em nossas casas, invadir os meios de comunicação e nos tomar preciosos minutos da nossa atenção? Seria a hora deles de só agora saírem de suas salas e prometerem melhorias em pracinhas, realizar showmícios, tudo pelo poder de mais 4 anos, seria hora, deles, novamente?
Senhores, sei que ainda nessas eleições, conforme estive observando nas pesquisas, teremos sim esses não tão novos políticos tentando cargos e admitindo serem amigos do povo.
É a hora deles, ou será a nossa? É a nossa hora de acordar, votar bem, pesquisar mais sobre os candidatos e é claro, saber que a escolha que faremos em frente as urnas precisa fazer valer todo o esforço que tivemos há anos atrás para conseguir o poder do voto.
Pense nisso! Agora é a hora! É a nossa hora!